Publicado em Sem categoria

Reinações de Nina no Mundo da Imaginação / Lia Helena

Urso polar 1

Nina prossegue dizendo que:
          – “Vem de imediato uma caverna alta, com uma entrada de areia, como se tivesse perto do mar, iluminada pelo sol que está ao entardecer, e deixa seus raios penetrarem. Ao lado muitas árvores frondosas, como se fosse uma mata. A caverna esta iluminada pelo sol e vejo suas paredes de pedra. Ele pede pra pegar um caminho á direita e vejo logo esta passagem, como se ela já existisse dentro de mim. À medida que ele pede, as imagens vão saltando em minha mente como se eu não tivesse controle, como se elas tivessem prontas para sair. Estranho muito, mas sigo em frente. Sigo pela caverna pelo lado direito e vejo um rio que forma um lago dentro da caverna com uma entrada de luz ao fundo que me deixa confortável, para seguir em frente; ladeando este rio existe um caminho de pedras íngremes que me fazem subir por uma passagem estreita, mas que subo sem dificuldade até a boca da caverna nesta passagem de luz”.

 
 
 
 
 
 
 

         – “O rio que adentra pela caverna está pairado na entrada dela e me faz passar por ele, molhando os pés para sair. Suas águas são cristalinas e vou tentando pular entre as pedras do rio para chegar a terra. Avisto o sol de imediato saindo da caverna como se fosse um sol das dez da manhã seguindo seu curso na trajetória do poente. Ele ainda não é forte, mas já me aquece com seus raios”.

         – “O terapeuta segue dizendo pra eu me aquecer com este sol, e isto eu já estou fazendo. A sensação é de uma emoção muito grande, que me faz chorar de alegria. A paisagem é linda. O rio, as montanhas logo atrás, a floresta, e o sol resplandecente. Não consigo ver o chão. É como se tivesse uma névoa que não me permitisse ver o chão. Uma névoa de neblina, que está bem baixa, tocando o solo”.    

 
           Carol pede que todos façam a pergunta
         -“Vocês podem me mostrar meu guia” e que acompanhem as resposta em sua imaginação. Por isto fica um tempo em silêncio”.

          Continua depois de um tempo, lendo o livro.
         – “O terapeuta pede para eu fazer a pergunta de onde está o meu guia, continua Nina e aparece um caminho por entre a floresta, com uma bola de luz que ilumina este caminho. Tenho medo. O terapeuta pede a esta luz que indique o caminho do guia, e conduza com segurança pelos caminhos do inconsciente. Esta luz se expande, se tornando azulada, como se dissesse que sim. Desço por um caminho íngreme, cheio de pedras, muito selvagem, uma trilha na mata. A luz vai à frente me guiando. Vou passando dentre a mata de pinheiros altos, sinto o cheiro, mas não vejo o chão. Agora, estou diante de uma clareira que tem uma caverna e sinto que dela vai sair um bicho, mas não sei qual é”.

         -“De lá de dentro aparece um urso branco enorme, que me assusta muito e eu recuo, dizendo que eu tenho medo dele, com todo meu corpo. Eu tremo toda nesta hora e me arrepio inteira. Ele fala de forma amigável e confortante: “eu sou o teu guia, não tenha medo, não vou te machucar, estou aqui pra te ajudar a seguir este caminho que você está escolhendo agora”.

         -“O terapeuta pergunta você pode conduzi-la pelos caminhos do inconsciente com segurança??  Você pode trazer o sol???”

         -“Neste momento o sol aparece com todo o resplendor, por cima da clareira, iluminando todo o local, deixando uma aura púrpura em toda a mata. Ainda tenho medo e não me aproximo do urso, fico olhando incrédula. Ele olha dentro dos meus olhos e uma onda de amor invade meu coração que eu começo a chorar. Não consigo me controlar. As lágrimas escorrem do meu rosto. A onda de amor entra pelo meu corpo e cobre-me com uma luz dourada, aquecendo meu coração, meus chacras, saindo pelos pés e pela cabeça. Tenho a sensação de que estou levitando. Todo meu corpo está envolvido por esta estranha energia que ao mesmo tempo em que aquece e cria uma sensação de grande emoção e bem estar, assusta”.

         – “Não resisto. Vou chegando perto. Ele me assusta muito. O urso é enorme. Seus pelos são brancos como leite, contrastando com a floresta atrás dele. Sua cara de focinho proeminente, olhos pretos amendoados, garras afiadas nas patas dos membros superiores e dos inferiores. Sua altura é mais ou menos de 3 (três) metros, porque dá dois de mim”.

         -“Fico olhando e sentindo, ele não tira o olho de mim e a sensação de aquecimento do corpo continua. Sinto que estou sozinha e que tenho que enfrentar todo o medo que aparece. Às vezes me dá vontade de sair correndo, mas controlo e me deixo invadir pela onda de calor”.

         -“Vou aproximando devagar, com cautela. O urso levanta o braço estendendo as suas patas e eu me assusto novamente. Vou controlando o susto. O vento sopra leve, o cheiro de mato se torna mais forte e isto me relaxa”.

         – “Ao chegar mais perto, sinto uma necessidade muito grande de me encostar-se a sua barriga e isto me apavora, embora venha uma sensação familiar, quando bem pequena encostava-me à barriga do meu avô, ele, também, era enorme nesta época pra mim. O urso não fala, apenas olha com o olhar de compaixão e me passa um amor muito forte e intenso. Meu corpo treme todo e eu consigo tocá-lo devagar, como se ele fosse de louça e eu fosse quebrá-lo. É uma sensação esquisita. Meu coração dispara e minha mente pede carinho e aconchego, sem que eu consiga detê-la. Tudo vira um turbilhão”.

         -“Não percebo, mas acabo encostando-me a sua barriga e ele me abraça com muito cuidado. O toque é suave, o pelo é macio e muito aconchegante. Fico de pé com as costas encostadas em sua barriga e ele me abraça carinhosamente. Eu coloco minhas mãos por sobre seu braço. Começamos os dois a fazer um movimento de balanço do corpo, como se fosse o de ninar e ficamos assim por um longo tempo. As lágrimas caem novamente e eu sinto muito amor. Aquele balanço toca e embala a minha alma e eu me sinto livre pra retribuir tanto aconchego. Passo a mão em seus pêlos, brinco com sua barriga e imito seu carinho comigo. Ele me toca o corpo todo como se tivesse energizando e eu passo minhas mãos por todo seu pêlo, sua barriga, suas patas. Mas não consigo tocar seu rosto”. 

         – “Ele agora fica de quatro patas no chão e eu o toco no rosto. Mas me dá medo. Ele levanta novamente, o que me assusta de novo e começa a me tocar outra vez. Suas patas dianteiras seguem num gesto muito aconchegante de carinho, de ternura, seu olhar acompanha suas patas e agora eu me deito em suas pernas e deixo-o tocar minhas costas, o que me arrepia todinha”.

         – “Todo esse carinho não tem palavras e eu não tenho coragem de falar”.

         – “O terapeuta pede para eu perguntar a ele se posso voltar a vê-lo, e se ele pode me dar um presente que quando eu o toque ele (guia) apareça”.

         – “O urso diz que sempre que eu quiser, venha nesta clareira, para encontrá-lo. Dirigimos a uma árvore enorme, um jatobá, com um galho que desce e dá para nos sentarmos”.

         – “Ele diz”:
         _“Você pode conversar comigo sobre tudo o que quiser. Pode pedir qualquer coisa, que eu te mostrarei os caminhos para encontrar. Outras vezes harmonizarei todas as forças para que elas façam acontecer o que você precisa. Você deve ser clara em seus pedidos. Quanto mais claro tiver suas perguntas, mais os caminhos se abrem. Quando temos clareza do nosso caminho, todas as forças do universo se abrem para encontramos o que procuramos. Nunca farei nada sem que você não me peça ajuda. Sempre te protegerei e lhe enviarei mensagens que te ajudem a escolher os melhores caminhos. Não se assuste porque muitas vezes vão aparecer em sua mente muitos avisos, e alguns caminhos. Mas você terá que aprender a reconhecer estas imagens, esta voz interna. Você deve ficar atenta, para poder ouvir. No começo você vai estranhar, e muitas vezes duvidar, mas depois de um tempo ouvirá sempre minhas mensagens”.

         – “As transformações serão grandes em sua vida e você deve se preparar para elas. Você tem um caminho de muito trabalho pela frente. Estarei sempre te acompanhando. Na próxima vez, quando vier me ver te levarei ver o seu castelo, morada de sua alma, ele fica lá embaixo nas montanhas, ao lado de um lago onde este rio descansa suas águas”.

         – “Agora começo a perceber melhor o chão, e vejo que é todo de neve. Meus pés começam agora a congelar. Ele me oferece um par de botinas de lã. Eu agradeço e aceito colocando-as em meus pés. Isto me dá uma sensação de aquecimento muito forte. E ajuda a me situar cada vez mais”.      

  
         – “Pergunto pra ele se o castelo é muito longe, como se tivesse que percorrer uma longa distância. Ele diz que não e que logo o veremos”.

         – “O sol agora abaixa e o urso me leva pra fora da clareira, num lugar onde eu posso ver toda a montanha. É uma encosta de neve com altos pinheiros, o chão muito branco, o vento está frio, mas assim me sinto aquecida”.

         – “Ficamos olhando esta paisagem os dois de lá de cima. Despeço-me dele. Ele me abraça novamente e eu volto para o consultório do terapeuta”.

         – “Saio com a sensação de estar flutuando. Esta sensação me acompanha por todo o dia. A imagem do urso fica nítida todo o dia também. Não sei o que fazer com isto e aguardo a próxima vez no terapeuta”.

urso polar

 

English version

Nina goes on to say that: 
          _” Come at once a high cave, with an entry of sand, as if by the sea, illuminated by the sun which is at dusk, and let the rays penetrate. Along with many trees, like at forest. The cave is illuminated by the sun and i see theys stone walls. He asks to take a path on the right and see them this way, as if it existed inside me. As he asks, bounding the images in my mind as if I had control, as if they were ready to leave. I see it very strange, but i go on. I follow the on the right an see a river that forms a lake inside the cave with a entrance of the backgrond that makes me comfortable to move on, either side of this river is a steep path of stones that make me go up by a narrow passage, but easily climb up to the mouth of the cave in this passage of light.”
 

 
 
 

          _” The river enters the cave is hovering  the entrance it puts me through it, dipping their feet to leave. The waters crystal clear and I am trying to jump between the stones of the river to reach the ground. I catch sight of the sun immediatelly out of the cave like a sun from ten in the morning following the course in the path of the sunset.It still is not strong, but it warms me with the rays.” 
 
          _” The  therapist goes on to say just let this warm you, and that I am already doing. The feeling is a great emotion, that makes me weep with joy. The scenery is beautiful. The river, the mountains behind, the forest and the sun shining. I can not see the ground. It is like a mist that does not allow me to see the ground. A mist of fog, which is very low, touching the ground.”
  

           Carol asks everyone to make the question.
 
          _” Can you show me my guide” and to monitor the response in your imagination.
 
                  For this is a time in silence.          

                Continues after a while, reading the book. 
 
          _” The therapist says to ask the question, where is my guide. Nina continues and there is a way through the forest with a ball of light that illuminates this path. I am afraid. The therapist asks in this lights that indicates the path guide, and drive safely through the paths of the unconscious. This light expands, becoming bluish, as if to say  yes. I go dow by a steep path, stony, very wild, a trail in the forest. The light goes ahead to guide me. I am going out of the forest of tall pines, I smell, but I do not see the ground. Now I am faced with a clearing that has a cave and feel that it will leave an  animal, but do not know what is.”

 
        _ “From there appears inside a huge white bear, which scares me a lot and I retreat, saying that I am afraid of him, with my whole body. I tremble all this time and I cringe whole. He speaks in a friendlly and conforting: I am
 your guide. Do not be afraid. will not hurt you, I am here to help you follow this path you are choosing now.”
 

          _ “The therapist asks you can drive it in the ways of the unconsious with security? You can brig the sun? ” 
 
          – “At the moment the su comes up with all the brightness, over the clearing, illuminating the entire site, leaving a purple aura throughout the forest. Still afraid and do not approach the bear, stare incredulously. He looks into my eyes and a wave of love  invades my hearts that I start to cry. I can not control myself. Tears run down my face.
 

          The wave of love comes over me and covers me with a golden light, warming my heart, my chakras, leaving the feet and head. I have the feelings that I am levitating. My whole body is envolved in this strange energy that whle it warms up and creates a feeling of great emotion and well-being, it scares” 
  
    

       -“Do not resist. I am getting closer. He scares me a lot. The bear is huge. His hair is like white-milk, contrasting with the forest behind him. His face muzzle prominent, black almond-shaped eyes, sharo claws on the feet of the upper and lower. Its height is more or less than 3 (three) meters, because it gives me tw0.”
 
      

    – “I am looking and feeling, he does not draw the eye of me and feel the body heat continues. I am alone and I have to face any fear that appears. Sometimes I feel like running away, but let me control and penetrated by the heat wave. ”
  
      

    – “I approached slowly, cautiously. The bear raised his arms stretched out his paws and I get scared again. I am controlling the scare. The wind is light, the smell of the forest becomes stronger and it relaxes me.” 
 
       

           – “When I get closer, I feel a great need to lie down with his belly and it scares me, but  will feel at home, when very small touched me to the belly of my grandfather, he, too, was ruge in this time for me.. The bear does not talk, just look through the eyes of compassion and love me is a very strong and intense. My body shakes and I can play it slowly, as if it were a porcelain and I would break it. it feels weird. My heart races and my mind asks affection and warmth, without that. I can stop it. Everything turns into a whirlwing.

Lia Helena Giannechini, psicologa, psiodramatista, consultora em RH

http://liagiannechini.myblog.it

lhgiannechini@gmail.com

traduzido por Maria José Rutanen, de Pomarkku, Finlândiaa, escritora e tradutora, autora da ” Trilha da Saudade”.

mjrutanem@hotmail.com

urso polar 2.

 

Anúncios

Autor:

Lia Helena Giannechini Nasceu na cidade de São Paulo, Brasil. Viveu sua primeira infância no Bairro de Santana, residindo em Santos em sua adolescência, onde estudou no Colégio São José, compondo as primeiras poesias, com a influência de J. G. de Araujo Jorge, nos anos 60. A formação humanista, leva a escolha da profissão de psicóloga. Mora atualmente em Piracicaba, realizando um trabalho como Coaching Social e empresarial, donde nasce a experiência para o livro atual. É autora de um livro de contos, Doido, Eu? Editora clube dos autores, 2012, sobre mendigos e andarilhos, diversos artigos sobre psicologia e o Blog www.alemdooceano.wordpress.com, com todas as poesias e artigosque escreveu. Co-autora do livro Poesias Contemporâneas da Editora Matarazzo,de junho de 2016, com duas poesias inscritas. Sua primeira incursão no mundo das poesias. https://www.skoob.com.br/poesias-contemporaneas-ii-605894ed605932.html Foi convidada por Sylvio Rey Reboledoa ministrar os cursos de introdução ao psicodrama, para lideres comunitários em Cali, Colômbia, pela Casa de Justicia de AguaBlanca, onde recebeu o título de cidadã benemérita em Ginebra, Vale delCauca, pelos serviços prestados à comunidade, que a recebeu de braços abertos em 2010. Já ministrou diversos cursos próprios, como Mitologia Pessoal e a Roda do Zodíaco, Além da Extensão da Mente: Oficina de Criatividade, Mitologia Pessoal – oficina de desenvolvimento humano. Oficina de Coordenação e Desenvolvimento de Grupos, Oficina de Criatividade. Trabalhou como consultora de treinamentos, em empresas como Gerdau e Engebrás. É autora de diversos artigos para o Jornal de Piracicaba de 1985 a 1987. Seu trabalho atual como Coaching prepara o jovem adulto para empreender e transformar seu conhecimento em um negócio próprio, além de desenvolver fases para consolidar as carreiras de jovens profissionais. Seu trabalho com escritora desenvolve projetos com equipes da comunidade. Atualmente faz parte do clube caiubi de compositores, onde alguns parceiros musicam suas poesias, transformando a experiência de letrista, em um processo novo e criativo. Atualmente faz parte do clube caiubi de compositores, onde alguns parceiros musicam suas poesias, transformando a experiência de letrista, em um processo novo e criativo.

3 comentários em “Reinações de Nina no Mundo da Imaginação / Lia Helena

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s