Capítulo 9 / No Futuro a Vida Acontece de Novo / Sozinho no Mundo

Quando acordo percebo dois anéis em meu dedo anular, um em cada mão. Não me lembro de tê-los, antes de chegar aqui. O que serão?

Examino cada um deles e percebo uma simetria, parecendo com um bebê, na parte vazada. Ao colocá-los juntos, existe um encaixe formando uma ideia de dois bebês entrelaçados, com as pernas cruzadas. Brinco com a peça e percebo que, quando elas se juntam, formam um anel maior com dois bebês combinados.

Não tenho ideia do que seja. Será que eu casei? Tenho filhos? Como foi esse coma? Vivi uma vida paralela, depois do dia do motel? Helena era tão doce, tão linda e tão aconchegante. Não vou esquecê-la jamais.

Que ano estamos?

Faço a pergunta alta para o computador me responder.

  − 2.318. Aparece um holograma em minha frente e a mensagem.

  − Meu Deus, virei eterno. Como posso ter durado tantos anos assim?

  − Você foi congelado em 2.018 e todas as funções vitais se preservaram.

  − Que dia é hoje?

  − 15 de março no seu tempo. Hoje medimos o tempo diferente daquela época.

  − O que vocês inventaram?

  − Um sistema que englobe o ano bissexto. Já faz mais de 100 anos isso.

  − Dizemos que a Nova Expansão. Hoje, é 15.3 de 118 da NE.

  − Meu Deus onde vim parar? Onde estou?

  − No planeta terra.

  − Por que? Tem outros planetas?

  − Você pode morar em vários outros planetas, parte de outros sois e viajar para eles, para viver lá.

  − Viajar? De quê? De foguete?

  − Não, de tele transporte.

  − Como é isso?

  − Você se transmuta em energia, impulsiona e o pensamento te leva aonde você quer estar.

  − E vai até outros planetas assim?

  − Sim, eles tem um centro de recebimento das energias transmutadas lá.

  − Posso ver isso?

  − Vou mostrar.

As imagens de vários sois aparecem em nebulosas muito diferentes daquelas que vivemos. Algumas mais densas, outras mais rarefeitas, mas, todas com esse ambiente projetado de plantas e habitats naturais. Algumas são metálicas, outras são transparentes como aqui.

É muita coisa para se absorver. Vou ter mais calma. Porque já estou pirando de novo.

  − Quero comer de novo!

O que não percebi é que agora já é a manhã seguinte. E está na hora de tomar o café da manhã. Peço ovos, bacon, panqueca, com geleia, sucos e tudo está pronto em pouco tempo em minha frente. Quem será que faz? Quero agradecer.

Yndit se materializa como holograma em minha frente.

  − Vejo que está com fome.

  − Acho que vou comer pelos dois anos.

  − Já vi que soube de algumas novidades.

  − Mas, não aguentei saber. Queria perguntar o que aconteceu com meu povo, porém fiquei com medo da resposta.

  − Tudo ao seu tempo, Arthur. Vou te dar uma aula sobre como é a vida de agora. Quem prepara seus alimentos, até você aprender tudo o que precisa, são o pessoal do centro de energia da manutenção. Em vários complexos, eles enviam a comida, porque as pessoas não podem fazê-las.

  − Quero agradecê-las. Não se compra comida?

  − Não. Não temos mais dinheiro.

Fico sem respostas com essa informação.

  − Com o que se trabalha, então, aqui?

  − Agora, vamos! Com calma você saberá de tudo o que precisa saber para viver aqui.

Não existe dinheiro. Nem trabalho como existia no seu mundo. Só trabalhamos pela energia que acumulamos, nos centros de apoio a vida. O trabalho consiste em você doar parte de seu tempo para construir algo da coletividade. Existem vários centros de apoio. Cada um faz uma parte específica da energia que nos mantém vivos.

Não existem doenças.

Quando as pessoas vão partir elas viram energia pura e se transmutam.

Se há perda de força, o indivíduo vai para o centro de recuperação de energia e memória.  Existem pessoas que passam sua energia nesses fluidos e devolvem a capacidade que a pessoa tinha, corrigindo seus problemas. A vida é muito tranquila.

Os casais se formam e tem um ou dois filhos no máximo, para guardar o planeta.

As regras são para a preservação da natureza, sempre.

Os centros de invenções constroem materiais naturais que retiram do próprio ambiente todo necessário para fazer o apetrecho.

Os centros de encontros servem para as pessoas doarem sua força para as outras, conectando-se com um tipo de repasse dirigido à todos. Quanto mais iluminada o indivíduo for, mais capacidade ele tem para a doação.

As pessoas cuidam de sua potência todos os dias. Fazem uma recarga duradoura e que se recarregue instantaneamente assim que o seu centro diminuir a quantidade.

Existe um centro de engenharia espacial. Lá as pessoas doam sua energia para atravessar as fronteiras de tempo e espaço.

  − Vocês são o Máximo!!! Nem sei o que te dizer. O que vou fazer para ganhar minha energia?

  − Como você veio nos ajudar a recuperar uma técnica de seu tempo, sua energia vai ser sempre muito alta.

  − Que técnica?

  − Seu pai quis que você fosse congelado, para receber um tratamento de modificação do DNA dos órgãos, por meio da Criogênesis. Eles fizeram uma operação para retirada do gene da esclerose múltipla.

  − Eu tive esclerose múltipla?

  − Sim, por isso ficou em coma. Quando você comeu camarão, teve um choque anafilático. E isso foi o estopim para a crise de esclerose múltipla te deixar em coma.

  − Que estranho, nunca tive problemas de saúde na vida.

  − Seu pai em suas pesquisas, conseguiu te manter vivo, congelando através da criogênesis. E ajudando a desenvolver a técnica de remoção do DNA da esclerose.

  − Meu pai?

− Sim, Dr. Alexandre. Ele ganhou o prêmio Nobel de ciências pelo feito. Ele te salvou e ajudou muitas pessoas a viverem.

  − Tive muita raiva dele, por um momento, quando acreditei que ele era responsável por eu estar em coma. Preciso me desculpar.

  − Não é preciso. Ele recebeu todos os prêmios pelo que fez.

  − O que fizemos com você ontem não é suficiente para você receber todos os Hologramas necessários para uma vida aqui no futuro. Receio que você terá que esperar mais tempo para entender tudo o que houve com seu povo e com sua família. Serão alguns meses para todas as reposições. Enquanto isso, vamos construir coisas que você pode se interessar em aprender. Depois vamos visitar os centros para você saber como são e o que fazem.

  − Você passará algumas horas por dia nessa reposição e depois escolhe um centro para ajudar, para conservar a energia que ganhou com o transporte de sua técnica para retirar o DNA defeituoso da esclerose múltipla.

  − Eu nem sei o que te dizer. É tudo tão inusitado pra mim. Mas, vou ter prazer em ajudar no que eu conseguir aprender. Me desculpe pela brincadeira quando acordei na piscina. Acho que eu não consegui compreender a gravidade e a seriedade do lugar.

  − Vi que tinha alguma coisa errada, mas, não sabia o que era. Depois fui ver o que vocês faziam nas piscinas, e aí eu compreendi. Nesses centros de lazer da sua época, vocês relaxavam e todas esses pensamentos de recreação apareciam. Aqui, sexo não é recreação, é reprodução. É muito diferente daquela época. Não existe nesse mundo, o fazer sexo sem envolvimento com uma pessoa.

  − Você terá que me ensinar muita coisa. E eu vou errar muito, porque vocês vivem muito diferente daquilo que era meu mundo.

  − As reprogramações são pra isso. Você irá ganhar conhecimento de tudo o que precisa saber desse mundo atual. E eu vou ser sua mentora. Você pode perguntar o que quiser.

 − Te agradeço demais a essa chance, Yndit. Gostaria de recompensá-la, um dia.

 − Não pense nisso agora. Depois as suas coisas vão estar arrumadas e você terá tempo e energia para me agradecer.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s