Publicado em História

Psicodrama uma coparticipação / Dra. Lia Helena Giannechini

Psicodrama

Uma co-participação

Aqui quero abrir esta questão com todos os interessados neste método tão diversificado do ensino tradicional.

Psicodrama é um método essencialmente vivencial. Não são as teses que lhe dão embasamento, que nos servem à reflexão. Mas como extraímos de nossas vivencias um aprendizado que nos coloque num caminho de realizações, integrando a pessoa ao seu meio e fazendo delas uma reflexão.

Por isto a teoria apenas, não vai cumprir este papel.

O homem moreniano, aquele proclamado por Jacob Levy Moreno, pai do psicodrama, é um homem que vive uma atualização constante, num universo aberto, cheio de múltiplas possibilidades de escolhas. Nestas escolhas, uma carga afetiva é dirigida ao outro. Ela pode ser positiva, negativa ou neutra. Ele chama isto de escolhas sociométricas.

Nestas escolhas, ele trilha um caminho de espontaneidade e criatividade ou um caminho de conservação, “Conservas Culturais” que são a repetição do status quo, de uma matriz sociométrica.

Para Moreno, nossas ações são baseadas em nossa matriz. Quando uma criança nasce, ela tem sua maior capacidade espontânea, pois ela vem ao mundo, sem nenhum tipo de matriz anterior. Ela faz o esforço pra nascer, e cria um ato espontâneo, para enfrentar o mundo.

Esta é a melhor definição que ele dá para o ato espontâneo. Uma resposta nova a um mundo novo.

Ao sair deste ato espontâneo ela se depara com um mundo novo, onde é preciso dar uma resposta, que antes nunca havia sido preciso fazer. Ela cria um vinculo com sua mãe, criando uma unidade, uma correspondência única, de mão dupla, pois é feito do bebe para a mãe e da mãe para o bebe.

A esta correspondência Moreno chama de co-ação, co-experiência, co-inconsciente, que determina a matriz de identidade.

Nesta matriz passamos por várias fases.

Todas elas vamos estudar com atenção.

Em cada uma delas estamos adquirindo determinadas características próprias da fase. E as ações cumprem seu papel.

Ao final trocamos com o mundo os papéis que a sociedade nos impõe. Mas deixamos um traço de nossa criatividade, nossa atualização pra este papel. Não somos mero repetidores de ações, e sim autores de um mundo novo. O mundo que criamos a partir destes papéis que jogamos. Alguns com moldes bem antigos, outros com um molde atualizado, de novos paradigmas, para uma ação na sociedade. É nossa espontaneidade sendo colocada em marcha.

O mundo do Psicodrama pra mim é apaixonante. Ele fala de coisas que nunca ouvimos falar. Mas principalmente, ele nos dá condição de intervir no mundo, constantemente, através dos papéis que assumimos, que jogamos,  que estamos vinculados..

Em cada vínculo que abraçamos, se configuram uma rede de relações. As redes sociométricas, que vamos recriar de diversas maneiras, através dos projetos dramáticos que vamos co- construir.

Psicodrama não se faz sozinho. É preciso uma co-participação. Não é um método que se aprende por leitura, ou ouvir falar. É necessário presenciar, co-participar, co-experenciar, co-produzir.  É preciso compreender um projeto dramático, para junto com o público, co- atuar no sentido de produzir a vinculação que a vida nos traz.

Este é um pequeno esboço do caminho que vamos trilhar ao longo de nossa experiência conjunta.

Para saber mais sobre este tema vou deixar aqui registrado uma bibliografia ao finla do artigo

Psicodrama

Una coparticipación,


            Aquí quiero abrir este tema con todos los que quieran estudiar conmigo este método de enseñanza tan diferente de los métodos tradicionales.
            El psicodrama es un método esencialmente experimental. No son las tesis que hacen las teorías que dan fundamento en el psicodrama. Si las vivencias donde extrajimos la experiencia de vida  e la aprendizaje,  que nos ponga en una senda de progreso, y donde hay una diferenciación de las personas en su medio y deles hacen un nuevo pensamiento, una nueva reflexión ante a la sociedad que son participante.
            Por esto la teoría solamente no pueda satisfacer las enseñanzas dese método tan  diferente del tradicional.

  Lo hombre moreniano, que proclamó por Jacob Levy Moreno, el padre del psicodrama, es un hombre que vive una constante actualización en un universo abierto, lleno de muchas opciones posibles. En estas opciones hay  una carga emocional que se dirige a las otras personas. Ella puede ser positiva, negativa o neutral. Él lo llama elecciones sociométricas.

En esas elecciones, hay dos caminos, uno  para  la espontaneidad y la creatividad o el otro para uno camino de la conservación,  “conserva cultural” que son la cristalizaciónes de una acción creadora en un producto que pasará a integrar el acervo cultural de una sociedad dada (en un libro, una película, una escultura, un cuadro, etc.). Es la matriz cultural, científica, tecnológica, artística, lingüística, etc. en la que se deposita la idea creadora para ser preservada. Dicionário de Psicodrama y Sociodrama, Menegazzo, Zuretti y …

  Para Moreno, nuestras acciones se basan en nuestra matriz. Cuando un niño nace, tiene una mayor capacidad espontánea cuando entra en el mundo, sin ningún tipo de matriz anterior. Ella hace el esfuerzo de nacer, y crea un acto espontáneo, para enfrentarse al mundo.
Esta es la mejor definición que existe para comprehender el acto espontáneo, como Moreno lo piensa.  Una respuesta nueva a un mundo nuevo.

Salir de este acto espontáneo que se enfrenta a un nuevo mundo donde usted tiene que dar una respuesta, que nunca antes había tenido que hacer. Se crea un vínculo con su madre, la creación de una unidad, un partido único, de dos vías, como se hace para el bebé a la madre y de madre a su hijo.

            En esta correspondencia Moreno nos habla de una acción conjunta, la experiencia de coinconsciente, que determina la matriz de identidad.

             En esta matriz se tiene varias fases.

             Todos ellas vamos a estudiar con cuidado.

                  En cada uno de ellas vamos adquirir algunas características propias de esta fase. Y las acciones de cumplir con su papel.

              Al final hemos cambiado el mundo con los roles que la sociedad nos impone. Sin embargo, dejamos un rastro de nuestra creatividad, nuestra actualización de este momento. No somos meros repetidores de las acciones, pero los autores de un nuevo mundo. El mundo que creamos a partir de estos papeles que desempeñamos. Algunos con moldes  muy antiguos y otros con una plantilla actualizada, nuevos paradigmas para la acción en la sociedad. Es nuestra espontaneidad  poniéndose en marcha.

                El mundo del psicodrama para mí es emocionante. Habla de cosas que nunca oído hablar. Pero sobre todo, nos permite intervenir en el mundo, constantemente, a través de los roles que asumen, jugamos, estamos obligados ..

                En cada enlace que tenemos adoptado, hacemos una red de relaciones. Las redes sociométricas, que volverá a crear de diversas maneras, a través de los proyectos dramáticos que nos vamos co-construir, en nuestros talleres.

               El psicodrama no se hace solo. Necesitamos una co-participación. No es un método que se aprende leyendo o escuchando. Es necesario observar, co-participación, co-experimentar, co-producir. Usted tiene que comprehender la extensión de un proyecto dramático, y  junto con el público co-actuar para producir la unión que la vida trae.Este es un breve resumen de la trayectoria que caminamos a lo largo de nuestra experiencia compartida, en nuestros talleres. Para saber más sobre este tema voy a dejar acá un bibliografía registrados.

Bibliografía:

 Moreno, J. L Cuadernos de Psicoterapia. Ediciones Genitor, 1969.

 Moreno, J. L, Psicoterapia de Grupo Y psicodrama, Editora Fundo de cultura económica, 1966.

Moreno, J. L. Psicodrama, editora cultrix,

http://books.google.com.br/books?id=bQXbreJWhPMC&printsec=frontcover&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false

Cukier, Rosa, Palabras de Jacob Levy Moreno. ISBN: 9788571838963

 Bustos, Dalmiro  M., Peligro, Amor a la vista, Drama e Psicodrama de Pareja,

Aguiar, Moises, Teatro Espontaneo e Psicodrama, editora Agora,

http://books.google.com.br/books?id=woL906Pf1zkC&printsec=frontcover&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false 

Marcia Karp, Paul Homes, Psicodrama, Inspiração e Técnica,, Editora – Agora,

http://books.google.com.br/books?id=Mw-SFenMu1AC&printsec=frontcover&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false 

Marineau, René, Jacob Levy Moreno, editora Ágora,

http://books.google.com.br/books?id=iALXNHqDhSgC&printsec=frontcover&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false

Perazzo, Sergio, Ainda e sempre Psicodrama, editora Ágora

http://books.google.com.br/books?id=WfKpNQOEOpUC&printsec=frontcover&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false

Perazzo, Sergio, Fragmentos de um olhar psicodramático, editora Ágora,

http://books.google.com.br/books?id=q4EDYC142WYC&printsec=frontcover&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false

Blatner, Adam El Psicodrama en la pratica, editora Pax Mexico

http://books.google.com.br/books?id=RRqWfk4bwTcC&printsec=frontcover&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false

Blatner, Adam, bases del psicodrama, editora  Pax Mexico

http://books.google.com.br/books?id=k3–_SYOWYkC&printsec=frontcover&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false

Weschler, Mariângela P. F., Psicodrama e construtivismo, Uma Leitura Psicopedagógica, editora Selo Universidade, Fapesp, Anna Blume,

http://books.google.com.br/books?id=_ruE3dR6PRkC&printsec=frontcover&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false

Rojas-Bermúdez, Jaime, Teoria y técnica Del Psicodrama, 

http://books.google.com.br/books?id=ULuGNK-NUEcC&pg=PA16&lpg=PA17&dq=PSICODRAMA%20onepage%20#v=onepage&q&f=false

Salles,  Camila Gonçalves, José Roberto Lobo, Wilson Castillo de Almeida, Psicodrama  Lecciones: Introducción al pensamiento de JL Moreno

http://books.google.com.br/books?id=GB2lz4Rq9zEC&printsec=frontcover&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false

Petrili, Silvia e colaboradores, “ Rosa dos ventos do Psicodrama”

http://books.google.com.br/books?id=4uHL1N2N8dEC&printsec=frontcover&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false

Para saber mais ver:

www.calialemdooceano.wordpress.com

http://www.concienciarte.com.co/diplomados.html

Lia Helena Giannechini’s Copyright:
****************
Copyright :: All Rights Reserved
Registered :: Sun Oct 31 07:21:23 UTC 2010
Title :: Psicodrama uma coparticipação / Dra. Lia Helena Giannechini
Category :: Blog
Fingerprint ::
c643109a7f3a3028fa1e5b1f7d5ac279304d87be0a2a72556a863ba49ef8ad86
MCN :: EX8W2-WB5TF-NFJXB
Anúncios

Autor:

Lia Helena Giannechini Nasceu na cidade de São Paulo, Brasil. Viveu sua primeira infância no Bairro de Santana, residindo em Santos em sua adolescência, onde estudou no Colégio São José, compondo as primeiras poesias, com a influência de J. G. de Araujo Jorge, nos anos 60. A formação humanista, leva a escolha da profissão de psicóloga. Mora atualmente em Piracicaba, realizando um trabalho como Coaching Social e empresarial, donde nasce a experiência para o livro atual. É autora de um livro de contos, Doido, Eu? Editora clube dos autores, 2012, sobre mendigos e andarilhos, diversos artigos sobre psicologia e o Blog www.alemdooceano.wordpress.com, com todas as poesias e artigosque escreveu. Co-autora do livro Poesias Contemporâneas da Editora Matarazzo,de junho de 2016, com duas poesias inscritas. Sua primeira incursão no mundo das poesias. https://www.skoob.com.br/poesias-contemporaneas-ii-605894ed605932.html Foi convidada por Sylvio Rey Reboledoa ministrar os cursos de introdução ao psicodrama, para lideres comunitários em Cali, Colômbia, pela Casa de Justicia de AguaBlanca, onde recebeu o título de cidadã benemérita em Ginebra, Vale delCauca, pelos serviços prestados à comunidade, que a recebeu de braços abertos em 2010. Já ministrou diversos cursos próprios, como Mitologia Pessoal e a Roda do Zodíaco, Além da Extensão da Mente: Oficina de Criatividade, Mitologia Pessoal – oficina de desenvolvimento humano. Oficina de Coordenação e Desenvolvimento de Grupos, Oficina de Criatividade. Trabalhou como consultora de treinamentos, em empresas como Gerdau e Engebrás. É autora de diversos artigos para o Jornal de Piracicaba de 1985 a 1987. Seu trabalho atual como Coaching prepara o jovem adulto para empreender e transformar seu conhecimento em um negócio próprio, além de desenvolver fases para consolidar as carreiras de jovens profissionais. Seu trabalho com escritora desenvolve projetos com equipes da comunidade. Atualmente faz parte do clube caiubi de compositores, onde alguns parceiros musicam suas poesias, transformando a experiência de letrista, em um processo novo e criativo. Atualmente faz parte do clube caiubi de compositores, onde alguns parceiros musicam suas poesias, transformando a experiência de letrista, em um processo novo e criativo.

2 comentários em “Psicodrama uma coparticipação / Dra. Lia Helena Giannechini

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s