Publicado em Sem categoria

Reinações de Nina no Mundo da Imaginação

A CRIANÇA INTERIOR DO LIVRO REINAÇÕES DE NINA NO MUNDO DA IMAGINAÇÃO  DE LIA HELENA GIANNECHINI

Vou contar pra vocês o primeiro contato da minha criança interior.

Nina: Estou com medo Maiã!!! 

Maiã: Estou vendo Nina!!! Olha vamos olhar de longe como ela está só para você ver e se você entra em contato com ela, tá bom??

Nina: Tá bom!!!

Maiã: Vamos lá?? Vamos ao Castelo!

Nina: Entramos pela mata, descendo a ladeira de onde Maiã mora, vamos?  Colhendo flores silvestres; descemos assobiando, olhando os pássaros, as árvores, as flores e toda a natureza. A entrada do castelo se abre com a ponte levadiça; entramos na sala principal, Eu e Maiã, nos assustamos. Nesta sala em frente a uma janela há uma criança com o olhar perdido no horizonte!!!!

Maiã: Olá querida a Nina quer falar com você!!!

Ela olha com o olhar triste e de medo para mim!!

Nina: O que você quer de mim para ser minha amiga?

Criança: Que você não me esqueça aqui. Leva-me aonde você for!

Nina: Mas você não pode ir a todos os lugares que eu vou!

Criança: Mas eu, sozinha. sinto medo!

Nina: Medo de que?

Criança: De ficar sozinha, sem saber o que fazer, quando eu não sei fazer as coisas. Eu não posso fazer uma porção de coisas sozinha; minha mãe me bateu muito, quando eu era ainda bebê para eu não ir fazendo tudo o que eu queria aprender!

            Desde quando eu tinha um ano, que eu enfiei o pau de vassoura na privada para ver aonde a água saia, e quebrei o vaso. Eu queria ver aonde a água ia! Desde quando a gente se trancou na casa da vizinha, e o pai teve que subir de escada por fora da casa e ir ao terraço para soltar a gente, eu tenho medo. Nem tudo eu consigo sozinha.

Nina: É você era muito peralta, agora ficou triste!

Criança: Fico triste quando não tenho com quem conversar. Fico com medo quando não consigo fazer as coisas por mim!. Fico triste quando peço ajuda e as pessoas me mandam embora!

Nina: Eu posso ficar com você de vez enquando, mas não sempre. Outras partes de mim também reclamam a minha presença! Agora ela se vira para mim e olha para o Maiã.

Criança: Este é seu problema Nina nunca tem tempo para você, para mim, está sempre se dividindo, entregando o seu tempo para os outros; sobra muito pouco tempo pra você arrumar suas coisas brincar comigo, rir, cantar, relaxar.

Nina: Quando eu fico fazendo barro não é este tempo??? Você não participa junto.

Criança: Ainda bem que você não me esquece totalmente!, Não é? Mas e seu violão, e suas músicas e sua costura! E seus bordados! Seus doces! Seu riso, seu cinema. Se você não fizesse o barro provavelmente eu estaria quase morta.

Nina: Não fale assim! (repreendendo)

Criança: Mas é verdade, tudo que fica parado vai morrendo!

Nina: Você está me deixando culpada!

Criança: Mas eu só to falando com você, Lia

Nina: Você é exigente, como a sombra, eu to bem arranjada!

Criança: Enquanto você não der conta de cuidar da gente direitinho.

Nina: O que você gostaria de fazer neste momento, para perder esse medo de viver?

Criança: Dar uma volta lá fora!

Nina: Podemos sair com ela Maiã?

Maiã: Podemos sim Nina: vai fazer muito bem a ela!

Nina: Vamos lá do lado da montanha???

Criança: Nunca fui para esse lado.

Nina: E você não quer ir lá?

Criança: Não sei o que tem lá?

Nina: Uma montanha com muitos pássaros, muita vida, muitas árvores!

Criança: E o que tem pra brincar?

Nina: Vamos escorregar?

Criança: Descer de esquibunda pela montanha?

Nina: Descer de esquibunda pela montanha!

Criança: (muito interessada) Vamos sim!!!

Nina: Então vamos levar os papelões!!!

Fomos até a cozinha, pegamos varias espécies de pranchas, de um material de tecido poroso e saímos pela porta da cozinha que da para o topo da montanha com um gramado que desce até o sopé da montanha.

Criança: Hum!!! O que você vai fazer com isso!!!

Nina: Vamos escorregar!

Criança: Mas isso machuca!

Nina: Não se você tomar cuidado!

Criança: Lembra quando caí do balanço de cima do muro!

Nina: Lembro sim! Agora está na hora de você tomar cuidado quando for fazer uma coisa nova. Tomar todas as precauções,

Criança: Fico muito triste quando preciso de ajuda porque não sei fazer as coisas sozinhas e me mandam embora. A mãe nunca tinha tempo pra gente. Isso me dói muito, você também não tem tempo pra me ensinar.

Agora quem está sendo exigente é você!!! Como vou aprender a fazer isso??? Vejo um dragão querendo me comer!!! Aí Aí Ai socorro!!

Maiã: Onde está este dragão querida?

Criança: Na minha frente. Ele tem os olhos vermelhos, um lombo de lagarto, patas de dinossauro e cospe fogo.

Maiã: O dragão é seu próprio medo que cria querida! Ele é o monstro que ataca porque fazemos as coisas muito maiores do que elas são, inventamos uma realidade que não conhecemos.

Criança: Mas ele quer me pegar.

Maiã: Seja paciente e fale com ele! Diga para ele ir embora, porque vai furar os olhos dele!

Criança: Vai embora!!! Eu não gosto de você!! Não gosto do medo que você me faz!! Eu vou furar os seus olhos se você não for embora.

Maiã: Hum!!!! Você aprende depressa!

Criança:É que com vocês não tenho medo!

Maiã: E agora onde está o dragão??

Criança: Ele saiu resmungando muito e querendo brigar com você?

Maiã: Diz pra ele que eu sou bom de briga e que você está aprendendo comigo!

Criança: Ele saiu resmungando alto! Tá bom! Tá bom, xooooooo medo! Ieba!  Ieba! Ieba!!!

Ela sai correndo pelas campinas e se deixa cair no chão e rolar pela grama

Nina: Agora vamos lá querida. Vamos escorregar!!! Eu já tive emoções muito profundas com você. Vamos brincar.

Os três pegam sua prancha de pano e se colocam na posição para descer.

Nina: Dê um impulso pra frente quando eu contar até três, tá bom.

Criança: Hum hum!!!!!

Nina: Um, dois, três

Desceram os três, ladeira abaixo, escorregando. Ao final saem rindo da situação

Criança: Eu estou parecendo o Vinícius!!!  Ieba!! Quando ele desceu pelo escorregador de prancha do camping e caiu no lago ieba!!! Eu sou igual a ele. Eu sou maior do que o draga, mandei ele embora!!! Eu tenho a força, ninguém me pega; desafiando os dois.

 

Vinícius era um menininho de 3 anos de idade, filho de uma amiga de  Caroline, minha filha. Fomos a um camping que tinha um escorregador de pedra, que dava para um lago profundo. Ele resolveu que queria escorregar de lá de cima, mas tinha muito medo. Demos a bóia de braço e a redonda que se coloca na cintura. Sua mãe subiu com ele e eu fiquei em baixo no lago esperando ele descer. Seu medo era tanto, mas a excitação de fazer alguma coisa nova também que com o apoio da mãe resolveu ir em frente e se atirar escorregador abaixo. Quando chegou ao final e caiu na água levou um susto muito grande, mas suas bóias e o meu apoio o ajudaram a voltar rapidamente. Ele chorou pelo susto, mas logo se recompôs e quis ir mais uma vez. Foram tantas vezes que ele fez o mesmo, subindo e descendo naquele escorregador, vencendo o medo e conquistando uma coragem pra enfrentar seus fantasmas.

 

Nina: Ri muito com as gracinhas da criança. Ela fica muito parecida com o índio do kA Ta Se(1) que brinca com a criança, saio correndo atrás dela, junto com Maiã.

         Ele corre muito, alcança a criança e a derruba no chão, os dois rolam na grama, quando chego junto os dois abrem uma brecha no meio e ficamos olhando as nuvens.

Criança: Nuvens tragam pra mim uma companhia!! Que sempre que eu precise esteja do meu lado.

Nina: Vou ficar sempre do seu lado quando você precisar!

Criança pula encima de Nina gruda no pescoço e lhe dá muitos beijos!!!

Nina: Vamos combinar um código. Sempre que você estiver se sentindo sozinha, você me mostra sua boneca! Assim venho conversar com você.

Criança:Tá bom!! Mas você virá sempre??

Nina: Virei. Não vou te abandonar. O que você pode fazer por mim?

Criança: Posso ajudar na sua espontaneidade, a sua criatividade, a conquistar os seus sonhos, sua alegria, sua esperança.

Nina: Você me ajuda então nesta nova etapa!!!

Criança: Oba! Você não vai me deixar de fora, como a nossa mãe fez??

Nina: Não pretendo. Se eu fizer isso com você, me puxe as orelhas, tá bom?!!

Criança: Você vai continuar a tocar, a fazer esculturas?? A bordar! A rir?

Nina: Você me ajuda querida!!

Criança: Ajudo sim!

Nina: Agora você fica com o Maiã quando eu não estiver perto de você?

Criança:(olhando com um monte de admiração com os olhos brilhando) É tudo que eu queria!!!

Maiã: Você ficará na minha caverna. Quando a Nina quiser, ela vai te buscar lá!!

Nina: Obrigado Maiã.

Maiã: Faz parte, Nina, não deixe de procurá-la. Ela é uma parte muito poderosa em todos nós. Quando fica abandonada perde o sentido de vida. Ela é que traz para nós a esperança e a alegria.

Nina: É Maiã. Eu também estava muito triste. Todos estes anos lidando com as doenças, com as dificuldades financeiras, parece que eu só encontrava força, para resolver os problemas. Abandonei tudo o que eu gostava. Agora é preciso resgatar tudo. Sempre é tempo de recomeçar, não é!!

Maiã: É sim, Nina. Tudo tem o seu ciclo, mas esta criança também faz parte; e você tem que aprender a ouvi-la. Ela lhe trará o encontro com o universo. Ela já te trouxe uma vez, quando você escreveu a história do jatobá lembra?

Nina: Lembro sim. Vou procurá-la e colocar aqui neste final. Se não achar reescrevo ela!!

Maiã:  Ela é linda!!

Nina: Também acho!!

Maiã: Você está se destravando bem para escrever, continue assim!!

Nina: Obrigada, meu querido.

Maiã: Fique bem, agora!!

Anúncios

Autor:

Lia Helena Giannechini Nasceu na cidade de São Paulo, Brasil. Viveu sua primeira infância no Bairro de Santana, residindo em Santos em sua adolescência, onde estudou no Colégio São José, compondo as primeiras poesias, com a influência de J. G. de Araujo Jorge, nos anos 60. A formação humanista, leva a escolha da profissão de psicóloga. Mora atualmente em Piracicaba, realizando um trabalho como Coaching Social e empresarial, donde nasce a experiência para o livro atual. É autora de um livro de contos, Doido, Eu? Editora clube dos autores, 2012, sobre mendigos e andarilhos, diversos artigos sobre psicologia e o Blog www.alemdooceano.wordpress.com, com todas as poesias e artigosque escreveu. Co-autora do livro Poesias Contemporâneas da Editora Matarazzo,de junho de 2016, com duas poesias inscritas. Sua primeira incursão no mundo das poesias. https://www.skoob.com.br/poesias-contemporaneas-ii-605894ed605932.html Foi convidada por Sylvio Rey Reboledoa ministrar os cursos de introdução ao psicodrama, para lideres comunitários em Cali, Colômbia, pela Casa de Justicia de AguaBlanca, onde recebeu o título de cidadã benemérita em Ginebra, Vale delCauca, pelos serviços prestados à comunidade, que a recebeu de braços abertos em 2010. Já ministrou diversos cursos próprios, como Mitologia Pessoal e a Roda do Zodíaco, Além da Extensão da Mente: Oficina de Criatividade, Mitologia Pessoal – oficina de desenvolvimento humano. Oficina de Coordenação e Desenvolvimento de Grupos, Oficina de Criatividade. Trabalhou como consultora de treinamentos, em empresas como Gerdau e Engebrás. É autora de diversos artigos para o Jornal de Piracicaba de 1985 a 1987. Seu trabalho atual como Coaching prepara o jovem adulto para empreender e transformar seu conhecimento em um negócio próprio, além de desenvolver fases para consolidar as carreiras de jovens profissionais. Seu trabalho com escritora desenvolve projetos com equipes da comunidade. Atualmente faz parte do clube caiubi de compositores, onde alguns parceiros musicam suas poesias, transformando a experiência de letrista, em um processo novo e criativo. Atualmente faz parte do clube caiubi de compositores, onde alguns parceiros musicam suas poesias, transformando a experiência de letrista, em um processo novo e criativo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s